Você desrespeita seu filho?

Olá! Tudo bem com você?

Já falamos em posts anteriores sobre a questão do respeito dos filhos em relação aos pais. Hoje vamos refletir de forma um pouco diferente, afinal, respeito é uma “via de mão dupla”, não é mesmo?

E se queremos ser respeitados, também devemos respeitar nossos filhos como seres humanos que são.

Mas se você não está entendendo bem o objetivo desse post, nós explicamos.

Você provavelmente já se viu numa situação em que seu filho tenha feito algo errado ou tenha demonstrado um comportamento inadequado na presença de estranhos ou de pessoas que não são da família, certo?

Nesse momento, qual foi a sua atitude? Você certamente chamou atenção de sua criança, pois esse é o papel que toda boa mãe ou bom pai deve exercer, ok? E não há nada de errado nisso… Porém, existem duas possibilidades para se resolver essa situação: uma inadequada e outra adequada. Vamos conhecê-las?

Bem, a primeira situação, a qual chamamos de inadequada é aquela em que você chama atenção de sua criança na presença de estranhos e isso causa um grande constrangimento à ela.

Agindo assim, você está prejudicando a autoestima de seu (a) filho (a). Pense um pouco: ninguém gosta de ser exposto e de ser repreendido publicamente… Sua criança também não… isso é desrespeitoso. Portanto, não faça mais isso.

A segunda situação, a que consideramos adequada é aquela em que você chama a sua criança reservadamente e diz à ela que aquele comportamento não é tolerável e que se ela insistir em agir de forma desagradável, você terá que levá-la para casa.

Mas, atenção: se você disser isso e ela insistir no mau comportamento, cumpra a sua promessa e leve sua criança para casa. Caso contrário, pense em outro tipo de negociação. Nada pior do que um adulto que não cumpre o que promete. A criança perde o respeito e a confiança por esse adulto.

Portanto, a partir de hoje, nada de constrangimentos. Há pais/mães que chegam à infelicidade de dizer frases que jamais deveriam ser ditas para uma criança, como por exemplo: “- Quem quer?” “Tô doando”, “Quer levar essa criança pra você?”

Tal procedimento, além de ser uma covardia com os pequenos, ficará gravada no inconsciente de seu filho e poderá vir a tona na adolescência ou na fase adulta como forma de insegurança, mágoa, sentimento de menos valia, etc. E você não deseja isso para seu filho, temos certeza!

Beijos iluminados e até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *