Rivalidade entre irmãos

Olá!!! Como vai? Tudo bem com você?

O tema de hoje é bastante conhecido de todos nós e é responsável por grandes conflitos e desentendimentos nos lares desavisados. E se você possui irmãos sabe muito bem do que estamos falando, não é verdade?

A rivalidade entre irmãos é um assunto tão antigo quanto a existência humana e o exemplo mais conhecido de  que temos notícia com relação a esse “problema” familiar, foi citado na Bíblia, na narrativa da briga entre Caim e Abel, os primeiros irmãos que vivenciaram tal situação desde que o mundo é mundo.

Na narração bíblica, o motivo do desentendimento entre os dois irmãos foi a ira sentida por Caim em consequência da rejeição de sua oferta ao Senhor, enquanto seu irmão Abel teve sua oferta aceita de bom grado. Pressupõe-se, assim, que Caim sentiu inveja de seu irmão e cego por sua ira, o matou.

Se voltarmos à nossa própria infância recordaremos que, por diversas vezes, fomos também surpreendidos por algum tipo de ira, inveja, mágoa ou ciúme em relação a nossos irmãos. É natural que isso ocorra, uma vez que é no núcleo familiar que desenvolvemos as nossas primeiras relações interpessoais que, não raro, são tumultuadas e conflitantes.

Cotidianamente, vivenciamos em nossas famílias cenas que nos levam a perceber como as desavenças são fáceis de serem desencadeadas. É o irmão que pega algum objeto sem a nossa autorização, é o controle da TV que disputamos egoisticamente, é o pedaço maior da guloseima que a mãe preparou e que todos desejam comer, é a disputa pela entrada ao banheiro, entre outras possibilidades que certamente conseguimos enumerar com facilidade.

Bem, certamente nossos pais nem sempre estiveram atentos aos desentendimentos que tivemos com nossos irmãos e, em determinadas ocasiões, nossas mães estiveram tão ocupadas que nem se envolveram nas discussões, na certeza de que tudo se resolveria sem que fosse necessário intervir. E, infelizmente, nem sempre os resultados foram positivos. As crianças quase nunca têm maturidade para resolverem esses conflitos infantis de maneira adequada e positiva. Dessa forma, surgem as primeiras mágoas que podem acompanhá-las até a fase adulta.

Mas… e agora que crescemos e tivemos filhos? Como podemos ajudar nossos filhos a reagirem de forma mais positiva a esses tipos de conflitos?

A seguir, enumeraremos algumas regras básicas de convivência familiar que impedirão que a rivalidade se instale e permaneça. Vamos às dicas?

1- Nunca compare seus filhos. Cada indivíduo é único e especial como é. Cada um possui forças e fraquezas como você e qualquer outro ser humano;

2- No primeiro sinal de desentendimento, não defenda a nenhuma das partes envolvidas. Ouça cada uma a seu tempo, individualmente, tentando compreender cada lado da história;

3- Negocie com os envolvidos a fim de que cheguem a um acordo que seja bom para todos e não privilegie ninguém;

4- Após o acordo, peça para cada um dizer uma qualidade que admira no outro e depois disso, peça que se abracem . Se o clima não estiver favorável para um abraço sincero, peça que apertem as mãos respeitosamente para selar o acordo com respeito;

5- Não permita que haja ofensas entre seus filhos. Caso haja, exija que o ofensor peça desculpas imediatamente;

6- Após o término do conflito, abrace a todos individualmente, dizendo o quanto os ama e os admira por terem agido da forma correta.

Agindo dessa maneira, você estará ensinando a seus filhos a se respeitarem mutuamente. Isso fará com que eles estejam melhor preparados para desavenças futuras e fora do ambiente doméstico, ou seja, na escola, na faculdade, no trabalho, no grupo de amigos, etc.

Vale a pena iniciar esse aprendizado e essa vivência em sua família. Você perceberá que o clima familiar ficará muito mais amigável e seus filhos crescerão com maiores chances de desenvolverem grandes amizades com seus irmãos.

E então? Gostou das dicas? Então, compartilhe com os amigos e os familiares.

Nos vemos no próximo post. Beijos iluminados pra você!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *