É natural a criança morder?

Olá! Tudo bem com você?

Hoje falaremos um pouco sobre as “famigeradas” mordidas. Sua criança apresenta esse comportamento ou já passou pela experiência de ser mordida por outra criança?

Se você tem dúvidas sobre o que significa esse comportamento ou sobre o que fazer quando ele ocorrer, podemos ajudar.

Inicialmente, gostaria de pedir permissão para discordar de alguns colegas de profissão (pedagogos ou professores) que consideram a mordida como um comportamento “perfeitamente natural” e “corriqueiro” entre crianças de 2 a 3 anos.

Apesar de todos tentarem justificar esse comportamento inadequado por meio dos argumentos apresentados por estudos de Freud acerca da fase da oralidade, ou seja, quando a criança utiliza-se da boca para explorar o mundo e se expressar, há que se ter muito cuidado ao generalizar tal situação.

Ainda que a criança não tenha consciência do ato em si, ela tem a percepção do sentimento emanado pela consequência do ato. Como? Por meio da reação de quem “sofreu” a mordida. Se for uma criança, ela irá chorar e se for um adulto, possivelmente, irá gritar ou zangar com ela.

Outro argumento muito utilizado para justificar o ato é dizer que a criança está na fase egocêntrica e que quando se sente ameaçada, ela morde. Ora, essa hipótese também não faz sentido, pois uma criança contrariada chora, não morde.

Uma criança emocionalmente saudável não se expressa dessa forma. Isso não é natural. Se ela está agindo desse modo, algo está errado. Então, o que fazer?

Primeiramente, observe em que momento a criança age desse modo e tente identificar qual foi a motivação que gerou tal comportamento agressivo. Percebendo qual foi o motivo, não recrimine imediatamente a criança. Isso reforçará o comportamento negativo.

Parece contraditório? Já explico. Uma criança não vai entender que não pode agir com agressividade se o adulto também for agressivo com ela. Ao invés de perder a paciência e gritar com a criança, pegue delicadamente suas mãos e ajude-a a fazer carinho na pessoa a quem ela mordeu. Depois disso, recompense-a elogiando-a ou abraçando-a.

Dessa forma, você estará demonstrando à ela qual é o procedimento adequado a fazer e a consequência desse comportamento gentil e amigo será compreendido pela criança. Ela perceberá nitidamente que a sensação do carinho é mais prazerosa e gratificante.

Caso a situação persista, verifique se há algum fator gerador de estresse ocorrendo com a criança. Se a mordida ocorrer na escola, chame os pais e tente identificar juntamente com eles se há alguma ocorrência negativa sendo vivenciada pela família. A criança pode estar sofrendo a influência de um ambiente de conflitos emocionais, por exemplo.

De qualquer modo, fique atento. Esse comportamento pode parecer inofensivo, mas tende a piorar se não for conduzido de forma correta. Na dúvida do que fazer, consulte um psicólogo para acompanhar o desenvolvimento emocional de sua criança.

Ficamos por aqui. Beijos iluminados e até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *