Crianças na internet: como agir?

Sua criança está cada dia mais viciada na internet e você não sabe o que fazer?

Você acredita que o excesso de internet prejudica seu filho e não sabe como agir?

Se você disse sim a essas duas perguntas, é hora de dar uma paradinha rápida pra conferir essa matéria.

É muito comum nos preocuparmos com o conteúdo que nossos filhos assistem na internet ou com o tempo excessivo que lá permanecem.

Há algumas pessoas que insistem em argumentar que as crianças de hoje não têm infância e que “na época delas” elas sabiam se divertir, não é mesmo?

Se você também acredita nisso, gostaria de convidar-lhe a refletir de um modo diferente. Então, vamos lá?

Primeiramente, reflita no seguinte: provavelmente sua infância foi diferente da época de seus pais e de seus avós e, possivelmente, eles também faziam comparações com o tipo de infância que tiveram.

Isso é perfeitamente normal…

Independentemente da época em que vivemos, criança será sempre criança e nunca deixará de se divertir e de viver as suas alegrias infantis. Portanto, jogue fora esse discurso.

Prosseguindo com as reflexões, sugiro que você se preocupe com 2 aspectos que realmente importam:

1- o tempo excessivo que seu filho passa na internet; e

2- o conteúdo que seu filho assiste.

E o que podemos fazer para ajudar nossos pequenos nesses casos?

Bem, primeiramente, limite o tempo e o horário em que seu filho usa a internet, mas faça isso de modo coerente com sua idade. Quanto mais novo for, menos tempo deverá ficar. E se você não fica em casa com sua criança e não tem como impedi-lo de acessar, fique ligado na próxima dica.

2- Inicialmente, configure o dispositivo para que conteúdos impróprios sejam impedidos. Há uma opção para isso nas configurações de segurança dos aparelhos.

Em seguida, procure verificar quais são os canais que seu filho acessa e se sua criança já tem 5 anos ou mais, ajude-a para que ela faça a escolha certa, propondo-lhe perguntas simples, como: o que você aprendeu de útil nesse canal? Ou, ainda, o que esse desenho ou filme lhe trouxe de produtivo ou de relevante?

Nesse último caso, é claro que nas primeiras vezes a criança não saberá entender muito bem o que você está falando. Sendo assim, ajude-a com as seguintes perguntas:

a) Diga-me o que aprendeu de bom; e

b) o que você assistiu pode ser considerado como “armadilhas da brincadeira inocente”?

E o que seria isso???

É simples: essas armadilhas são comuns em canais que estimulam a criança:

  • a fazer bagunças e sujeiras sem objetivo;
  • a desperdiçar alimentos;
  • ao consumismo desnecessário; e
  • a riscos que podem afetar a sua segurança.

Depois disso, ajude seu filho a perceber se realmente aquele conteúdo lhe faz bem. Caso contrário, incentive-o a procurar algo mais adequado.

E, se você não costuma assistir aos canais que seu filho acessa, fique de olho, pois há brincadeiras inocentes que podem expor sua criança a perigos desnecessários, disfarçados de desafios, como por exemplo: pular na piscina vestindo várias roupas para se desvencilhar delas ou imitar cenas de novela, rolando de uma escada.

Já imaginou????

Portanto, fique atento e tente tirar o melhor proveito dessa diversão que é natural e deve ser permitida dentro de limites bem definidos.

Ficamos por aqui… se você gostou, compartilhe!!!

Um grande abraço e até a próxima!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *