Creche ou babá? O que escolher???

  1. Se você tem filhos na idade de 0 a 5 anos, provavelmente já teve dúvidas sobre o objetivo de se colocar a criança na escola tão cedo, não é verdade?

Frequentemente nos deparamos com duas situações distintas: a primeira é a necessidade de se matricular a criança já no quinto ou sexto mês de vida, por falta de opção, ou seja, quando os pais não têm com quem deixá-la.

A segunda é a orientação recebida pelo pediatra que, geralmente, não considera recomendável que a criança seja exposta prematuramente ao contato com outras crianças sem ter desenvolvido a imunidade necessária para evitar possíveis contágios.

Pois bem, nesse último caso, é comum que os pais optem por manter uma pessoa de confiança em casa “cuidando” da criança a fim de evitar que ela adoeça com frequência.

E é comum, também, ouvirmos coisas do tipo: “coitadinho (a)! Deixa ele (a) em casa mesmo, afinal, creche é só pra brincar, não é?

E o que pensar a respeito dessa questão?

Bem, tratando do assunto sob o aspecto pedagógico e cognitivo, optar por uma creche ou pré-escola é uma possibilidade bastante adequada. E vamos esclarecer alguns aspectos que nos levam a essa conclusão.

Primeiramente, não há como questionar o bem que a socialização produz no amadurecimento de nossos pequenos. Segundo, Vygostsky, célebre psicólogo russo, autor da teoria sociointeracionista da aprendizagem, a construção do conhecimento ocorre a partir das trocas (relações) entre os indivíduos.

Assim, quanto maior for a troca, maior será o desenvolvimento. Ou seja, em decorrência de todos os estímulos recebidos na pré-escola, a partir da mediação de profissionais especializados, certamente haverá maior possibilidade de desenvolver as potencialidades cognitivas da criança.

Cabe salientar que as atividades propostas pela pré-escola são especialmente desenvolvidas para cada etapa do desenvolvimento infantil, possuindo sempre um objetivo pré estabelecido. Há um conteúdo a ser seguido.

Por mais que o aconchego doméstico seja positivo emocionalmente para a criança, não será possível proporcionar aos pequenos um estímulo igual ou superior ao recebido nas instituições de ensino, especializadas na educação infantil.

Segundo Jean Piaget (biólogo e psicólogo suíço), existem estágios de desenvolvimento cognitivo que devem ser considerados para a aprendizagem. E cada estágio equivale a uma idade ou fase de maturação específica.

Obviamente, se permitimos que a criança seja estimulada com atividades adequadas para cada estágio, ela responderá positivamente e seu desenvolvimento cognitivo será maior em relação a outra criança que não recebeu os mesmos estímulos.

Muito mais do que “brincadeiras”, as atividades desenvolvidas na creche são como o preparo da terra para o futuro plantio educacional que ocorrerá no ensino fundamental.

Se você ainda está em dúvida sobre o que é melhor para seu (a) filho (a), sugerimos que faça uma visita a uma instituição confiável a fim de verificar, na prática, o que é possível fazer pelo desenvolvimento cognitivo e emocional de sua criança.

E para a escolha da instituição, verifique todos os aspectos: a idoneidade e certificação, a segurança, a capacitação dos funcionários, a formação dos docentes, a experiência da coordenação pedagógica, a limpeza e ventilação dos ambientes, a proposta pedagógica e se for possível, até mesmo o salário dos funcionários.

Finalmente, vale considerar a seguinte questão: que tipo de profissional você deseja para sua criança: uma “cuidadora” ou uma “educadora“?

A escolha sempre será nossa e os frutos dela também… vale a pena refletir…

Um grande abraço!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *